Filatelia & Numismática

Sites interessantes:

Associação Filatélica e Numismática de Santa Catarina

Federação Brasileira de Filatelia
 

Artigos:


 
 

Primeiros selos japoneses

Daniela Suzuki
(Publicado no SETE - SElo e arTE no 36, ano 7, 07 de Abril de 2000)

Série Dragão


Série Flor de Cerejeira

     Em 20 de Abril de 1871, o moderno sistema de serviço postal do Governo (Era Meiji) substituiu o sistema de envio efetuado pela iniciativa privada, surge a primeira tarifa de selos de quatro valores. Esta ficou conhecida como a Série Dragão, porque o desenho consistia de dois dragões, um diante do outro. Em 1872, foram substituídos pelo desenho de um crisântemo e galhos da árvore "Kiri". Estes selos são referidos como a Série  Flor de Cerejeira, por causa da flor de cerejeira que aparece nos quatro cantos dos selos. Estas duas séries são também chamadas de Selos Gravados à Mão, porque são fabricados por um processo de impressão envolvendo placas de cobre gravadas à mão.
    Nota. Após 1870, Reforma Monetária da Era Meiji, 1YEN =100SEN=1.000RIN=10.000MON .

VOLTA

Agência do Correio sob o Oceano
Revelado o novo mundo sob o mar
A expedição Científica Williamson faz história
Publicado no Boletim Informativo da AFSC número 48 - Fevereiro de 2001
Extraído do "The Nassau Daily Tribute"
(Traduzido por Daniela Suzuki - Florianópolis/SC - suzuki@floripa.com.br)

    Em 6 de Maio, a "Sea Floor", a primeira agência postal sob o mar do mundo, se unirá na celebração do "Penny Black", o primeiro selo adesivo do mundo que estabilizou o sistema postal no globo  e tornou este meio de comunicação simples, fácil e barato nas relações humanas.
     "Sea Floor", foi construído primeiramente em "Nassau Marine Garden", em 16 de Agosto de 1939, como parte da Expedição "Bahamas Williamson Undersea" que era organizada pelo explorador, John Ernest Williamson, criador da fotografia subaquática, para o propósito da exploração científica sob o mar, o primeiro objetivo da agência do correio era fornecer facilidades para o visitante da fotosfera não só para gravar suas impressões das maravilhas das profundezas, mas também enviar uma mensagem de volta para o mundo com as suas novas impressões de um mundo estranho e desconhecido.
    Mas instantaneamente a demanda de filatelistas para o único carimbo "Sea Floor, Bahamas" e o sinete "Posted in the Williamson Photosphere at the Bottom of the Sea near Nassau Bahamas"(Postado na fotosfera no fundo do Oceano perto de Nassau Bahamas), tornou-se tão universal que a demanda começou a transbordar neste diminuto posto de correio vindo de todas as civilizações do mundo. E agora, tendo sido aberto durante este período sazonal de 1939, a "Sea Floor" está sendo reaberto nesta data histórica no desenvolvimento postal, e as milhares de interrogações que ficaram acumuladas neste meio tempo serão resolvidas.
    O Selo especial de Bahamas de 4 Penny sob o mar, reproduzido de uma fotografia subaquática da Williamson do Jardim Marinho de Nassau - o único selo na filatelia reproduzindo uma cena sob o mar - é outra grande contribuição para o mundo conhecido na esfera da história natural e gravação até outra realização do homem no domínio dos elementos.
    Em acréscimo ao Governo, os seguintes senhores também tem ajudado ativamente com a expedição como patrocinadores - Sir Francis Peek, Bt., M.L.C., Hon. H. G. Christie, M.E.C., M.H.A., Mr. George Murphy, M.H.A., Mr R.T. Symonette, M.H.A., Mr Sidney Farrington, J.P., and Mr. A. Wenner-Gren.
    O atual tamanho da Agência do Correio é 6x10 pés(1,83mx3,02m). Sempre Mr J. H. Peet, diretor do posto do correio, tem encarado o problema de responder para inúmeros pedidos para o FDC(First Day Cover = Envelope de Primeiro Dia) do evento, mas pelo regulamento do Posto do correio, não é permitido fornecer estas facilidades para o público, e então sua secretária é ocupada todo o tempo em retornar o dinheiro e responder para todos a respeito das regras dos FDC´s da Agência do Correio do "Sea Flood Bahamas".
    A nova agência do correio foi autorizada pelo Governo de Bahamas em conjunto com a expedição que  está sendo conduzida por Mr Williamson, quem decidiu pela primeira vez em seus 25 anos de operação em Bahamas a permitir um número limitado de visitantes para a ilha para acompanhá-lo na locações diárias. Facilidades tem sido providenciadas para os visitantes da fotosfera para o registro de suas experiências como câmara no chão do oceano entre florestas de corais habitados por brilhante e colorida vida marinha. Estas primeiras impressões podem ser enviadas sob o mar na agência do correio sob o mar e enviado para sua destinação com o carimbo "Sea Floor Bahamas". A expedição estará em campo durante um período de 5 anos e trabalhar durante certas estações favoráveis de cada ano.
    Transmissões vindas do fundo do oceano também tem sido introduzidos com um telefone a rádio, tornando possível descrever as maravilhas do fundo do mar com os cruseiros de navio através da floresta de corais abundante em vida marina.
    Telegramas e cartas aéreas continuam a chegar em grande quantidade vindos da Inglaterra, América e Canadá solicitando fotografias e informações sobre a primeira agência do correio sob o mar, e Fox Movietone News enviou um fotógrafo para Nassau pata fotografar o evento para o jornal fotográfico. É estimado que o lançamento alcançará 100,000,000 exemplares.
    A poderosa profundeza tem sempre assegurado o fascínio do homem. Com sua grande extensão de 148,000,000 milhas quadradas, o oceano é literalmente uma vasta proliferação que instiga a vida, e nas estranhas profundidades estão espalhados os naufrágios dos pesados tesouros dos navios. Nos trazemos visões de cascos apodrecidos dos navios banhado em leves filtros de luz do sol, enquanto vários alegres e coloridos peixes ficam olhando nas sombras da floresta de corais; nos retratamos naufrágio segurar na perpétua escuridão no vasto silencio da profundeza, invejosamente guardada por estranhos, monstros sobrenaturais; nos lemos sobe as cidades submersas, um continente afundado - a perdida Atlântida.
Sempre e sempre a compreensão da profundidades do oceano tem se negado a entregar os conhecimentos deste mundo de mistérios ao homem.
    E agora chega um homem preparado com o uso das maravilhosas invenções, que o torna apto para descer até o fundo do oceano e com o apoio de suas câmeras, ambos ainda em figuras em ação, Mr J. E. Williamson está presenteando o mundo com uma extraordinária gravação de suas aventuras sob o mar. Só as fantasias de Jules Verne podem sugerir a beleza, o estranho terror e o real valor das revelações científicas dos filmes do Mr Williamson.
 
 

Criador dos Filmes Subaquáticos

    Mr. Williamson é o criador dos filmes subaquáticos. Enquanto cartunista no "Virginian Pilot", de Norfolk, Virginia, J.E. Williansom  concebeu a idéia de utilizar, para propósitos fotográficos, o tubo metálico flexível que seu pai havia inventado, Charles Williamson, para salvamentos nas profundezas do mar e engenharia submarina. Este tubo, que formava um caminho para o fundo do oceano onde terminava em uma câmera de ferro.
    O jovem Williamson caminhava silenciosamente para o esboço e modelagem de uma câmera especial que ele acreditava possibilitá-lo a tirar fotos debaixo da superfície do mar.
    Imagine a excitação umas poucas semanas mais tarde quando ele produziu o resultado do seu pensamento e trabalho. Seu filme - o primeiro sucesso fotográfico todo feito sob o mar - e a história dos seus planos de fazer um filme nas águas claras das Bahamas, produzindo a mesma sensação da história com suas ilustrações, era reprisado em todas as partes do mundo e em todas as línguas civilizadas.
 
 

Primeiro Filme Subaquático

    A Expedição submarina de Williamson seguiu para as Bahamas e após um ano filmando sob o mar, atingiu seu objetivo, revelando as maravilhosas belezas de uma jornada panorâmica pelos jardins marinhos, durante 30 léguas de solo oceânico, e demonstrando o grande valor para os cientistas do mundo acima do mar e o princípio de um entusiasmado deleite para milhões de pessoas. Em breve, os pensamentos da invenção da fotosfera de Williamson tornaram-se a realização dos sonhos de Julio Verne com a filmagem de "Vinte mil léguas submarinas" a qual era sucedida por muitas das produções do Sr. Williamson, alcançando um máximo em perfeição fotográfica quando ele produziu o primeiro filme sob o mar em cores naturais.
 
 

Aparelhos Subaquáticos de Williamson

    A figura mostra um navio adaptado com um poderoso tubo curvo criando um caminho para você até o chão do mar, e você tem um ponto de observação no mar. Aqui está um poço de ar aberto, através dele qualquer um pode descer e ficar indefinidamente sob pressão atmosférica normal em conforto, na câmera de observação localizado na extremidade abaixo, vendo e fotografando o mar iluminado  ou fundo do mar.
    O Tubo de Williamson não é um tubo rígido, ele é um tubo flexível com três ou quatro pés de diâmetro, feito de aço e pastilhas de ferro forjado, e pode ser alongado ou encurtado interiormente, a construção desta parede dobradiça é muito parecido com um acordeão. O fato dele ser flexível, curvo e render-se aos movimento das ondas e correntes, torno-o um sistema seguro e adaptado para o homem ir sob o mar - formando um túnel para as profundezas  através dele qualquer um pode passar livremente para cima ou para baixo em pressão atmosférica normal.
    O tubo termina em uma câmera redonda de aço pesado com uma imensa janela de vidro projetada especialmente para a fotografia nas profundidades.
    Através dos bancos de poderosas lâmpadas vindas do navio, projetadas pelo próprio Sr. Williamson, grandes áreas do fundo do mar são iluminadas para melhorar a visão das cenas submarinas.
 
 

Um Submarino Fairyland

    Com as cores mágicas da fotografia subaquática, o Sr. Williamson tinha mostrado em seus filmes um grupo de cenas impressionantes tão maravilhosas como uma visão da terra das fadas.
    Dentro da magia da câmera e a inspirada narração do explorador, a platéia tem sido levada para as profundezas do mar, mas agora pela primeira vez muitas pessoas que tem se maravilhado com as telas poderão viver dentro das espantosas cenas naturais. Atrás da grande janela da fotosfera você parecerá esfregar o nariz com a vida submarina e viver em um instante aventuras de como os maravilhosos mistérios das profundezas serão reveladas.
    Através da cooperação de Jacques S. Minkus, Diretor do Famoso Departamento de Selos de Gimbel, New York, os envelopes de primeiro dia "Sea Floor" tem sido enviado com um documento em anexo através do serviço especial desenvolvido pelo Sr Minkus para ligar o espaço que divide a Exploração remota e os difíceis caminhos vindos da intrincada demanda dos filatelista.
 

Florianópolis, Outubro de 2000
Traduzido por Daniela Suzuki
Figuras


  Figura 1. FDC de 16 de Agosto de 1939, com o sinete "Posted in the Williamson Photosphere at the Bottom of the Sea near Nassau Bahamas"


 Figura 2. Selo de Mônaco figurando a fotosfera Williamson.



Figura 3. FDC de 06 de Maio de 1940, registrada com assinatura de Williamson, com carimbos de chegada 09 de Maio de 1940 em Miami - Flórida, 05 de Maio em Nova York - NY, 13 de Maio em Nova York - NY -(STA.H).

VOLTA